segunda-feira, 27 de julho de 2015

Quando foi que eu perdi o controle de tudo?

 Em exatamente qual momento a minha vida virou totalmente de cabeça pra baixo e eu perdi o controle de tudo?
 Eu me pergunto em qual momento eu resolvi só ir, sem pensar muito, sem sentir muito, sem pesar muito. 
 Acabei de ler na legenda da foto de uma amiga "Escute o que diz sua alma". 
 O que diz minha alma?
 Minha alma sangra. Minha alma clama desesperadamente por ajuda. Minha alma está se afogando em si mesma, com os braços erguidos pros céus, pedindo ajuda de qualquer um que possa aparecer e puxá-la pra cima.
 O problema é que a única pessoa capaz de salvar a mim sou eu mesma. 
 Hoje é o segundo dia consecutivo que eu choro depois de semana, quiçá meses. Na verdade não é bem um chorar, é mais um "tá cheio de coisa aqui dentro e você quer colocar pra fora" mas não consigo. Não consigo chorar. Não consigo sofrer. Não me permito sentir aquela dor dilacerante que eu senti quando vi a única certeza da minha vida escorrendo das minhas mãos. 
 A única certeza da minha vida por tantos anos. Era simples, afinal. Ano que vem eu já começaria a economizar pra financiar minha casinha ou ap. Íamos terminar a faculdade. Noivaríamos. Correríamos atrás de todos os preparativos. Casaríamos. Íamos construir a vida que sempre desejamos. Construir uma família. Viajar. Trabalhar no que amávamos.
 Não parecia tão difícil assim, vai. Era uma boa perspectiva. 
 E daí você vê tudo aquilo se esvaindo. 
 Não existe plano B.
 Você de repente tá no escuro.
 Você tá pisando em falso e tropeçando e caindo e se machucando cada vez que tenta avançar naquela escuridão. 
 Você consegue perceber que foi a decisão certa. Tava tudo uma bosta. Não ia durar muito. 
 Mas dói mesmo assim porque era tudo que você tinha e à tudo que você se agarrava.
 E daí isso foi a cereja no bolo porque você já estava atolada de si mesma há tempos. E você não sabia disso mas agora, agora você percebe. Percebe quantas atitudes suas eram decorrentes à essa sombra que te persegue a tanto tempo e você, inocente, não percebia. 
 Aquele estado de torpor, hoje tão conhecido, já estava lá. Você se perguntava por que não conseguia sentir as coisas. Questionava sua humanidade, questionava sua capacidade de sentir. 
 Não era sua culpa. Nunca foi. 
 Continua não sendo.
 Você se sente tão solitária e tão sozinha e olha para os lados e não tem ninguém ninguém à se apegar ninguém para quem clamar desesperadamente por ajuda ninguém.
 Ninguém.
 E quando alguém se aproxima você acaba involuntariamente afastando essa pessoa porque a perspectiva de alguém te ver tão perdido e vulnerável te desespera e você não quer ninguém te vendo nesse estado não é mesmo?
 Mas você quer tanto uma companhia.
 Não aquelas preocupadas e desesperadas, que exigem respostas para coisas nas quais você não sabe como responder porque não sabe como se sente.
 Aquelas que chegam devagarinho, sentam do seu lado, seguram sua mão e ficam ali. 
 Só isso.
 Não pode ser pedir muito.
 Ou pode?

 Daí você percebe que não você não está assim por um único motivo e pelo motivo que todos acham que seja você está assim por nada 
 e por tudo também.
 Você não sabe quando começou a se sentir assim quando começou a se colocar em terceira pessoa quando se perdeu mas você sabe quando percebeu isso tudo e é quando todo mundo acha que você começou. 
 Coitados, não sabem de nada.
 Coitada de ti, também não sabe de nada.
 Na verdade se tem alguém que não sabe de nada esse alguém é você.
 Ok talvez isso seja um pouco mentira você aprendeu muito cresceu muito evoluiu muito melhorou e se tornou mais forte mesmo sem querer.
 Mas ao mesmo tempo você não é nada forte. Você não é nada do que dizem.
 "Você é mais forte do que acha" eu continuo ouvindo isso. Continuo cansada de ouvir. 
 Carregar esse fardo exige que eu tenha forças pra passar por seja lá o que eu estou passando e que eu não posso me deixar abater e eu não quero carregar esse fardo.
 Eu quero me abater. Eu me abato. 
 Eu quero ao menos conseguir sentir algo meu Deus isso não é pedir muito.
 
 Vou terminar mais esse post confuso e talvez verídico talvez fictício com uma súplica: Se você tá sofrendo e pede desesperadamente para que pare de doer
 
 não peça;
 Você não sabe como não sentir nada consegue ser pior, mais sufocante, mais desesperador do que sentir absolutamente tudo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário