segunda-feira, 21 de julho de 2014

Faculdade de Design de Interiores - primeiro semestre (pra graça de Deus)

*** 
ATENÇÃO: Obrigada pela atenção.
 Esse post é um informativo para 1) minha família e amigos que são mais curiosos que vizinho quando o vizinho chega com compra e 2) as pessoas que querem saber mais sobre como é a faculdade na "prática", principalmente o Design de Interiores, que é algo que só tem o básico da descrição, não tem pessoas falando de dentro do curso. Cês me entendem? 
 Então se você não se interessa por isso vai achar essa postagem uó, my friend. Mas se ler mesmo assim porque gosta do brogui chega aqui que tia Mari tem abraço pra todo mundo \____o____/


***

 Título grande pra expressar meu alívio/felicidade/satisfação e os carai a quatro.
 Tô muito feliz por esse primeiro semestre ter, finalmente, passado. E ter dado tudo certo.
 Eu tô de férias desde o dia 04, mas quis esperar sair as notas pra poder falar certo pra vocês sobre tudo.
 Na verdade eu só esperei pra falar de notas porque eu estava pendurada em uma matéria e queria saber se eu ia passar ou ficar pra poder falar com vocês com mais sentimento e ó: Eu passei
 Eu não sou uma pessoa que se mata de estudar, ou que se preocupa com notas, trabalhos e essas coisas, mas eu já vi que tô mudando. Eu chorei muito quando vi que passei, parecia que eu estava tirando um elefante das costas.
 O que acontece é que eu não defeco money né migos? E meus pais tão ralando muito (ênfase no muito) pra pagar minha faculdade, essa era minha maior preocupação. Imagina, pagar quase R$ 800,00/mês pra chegar no fim do semestre e eu reprovar em uma matéria e ter que pagá-la? Claro que eu ia dar um jeito de pagar, mas mesmo assim né.

 Enfim. Talvez o post fique grandinho mas é porque quero explicar o máximo de coisas que eu conseguir para as pessoas que possam estar interessadas em fazer Design de Interiores.
 Recebi algumas dicas da Jess Fernanda, do blog Liberty Walk que me deram uma direção pra fazer esse post, confesso que estava meio perdida. E vou pegar a forma como a Ana, do Blog Ana Carvalho usou: falando matéria por matéria.

 Bom, quando eu fui fazer o vestibular pra entrar pra faculdade de DINT (vou usar essa sigla ok? É sigla pra Design de Interiores caso alguém não tenha entendido) eu não sabia que geralmente em faculdade particular o normal é todo mundo entrar (tanto que minha turma tinha 40 alunos), então, quando eu vi que eu tinha ido relativamente mal na prova, eu fiz o que uma pessoa madura e sensata faria: chorei a tarde toda. 
 Aqui onde eu moro, no Espírito Santo (ê estado lindão), só tem uma faculdade com bacharelado de DINT (que é onde eu estudo), o resto é tudo tecnólogo. Então eu fiquei desesperada com a possibilidade de não passar.
 Aí tá, chegou o grande dia de saber o resultado e BUM, passei. Eu fiquei muito feliz, mas não sabia como agir. Queria ir correndo contar pros meus pais pra ver eles me abraçando e rindo comigo etc e tal mass: isso não aconteceu. 
Meus pais sempre me apoiaram mas apoiar # querer que você faça. Eles queriam que eu fizesse algum curso na federal e não ficaram tão contentes quando como eu passei na federal (passei pra artes plásticas. Eles fizeram mó auê aqui em casa e eu :: não fui estudar lá HUE) e isso me deixou um pouco muito triste. Mas ok. Passou. É passado. 
 O que vocês tem que aprender com isso? Não importa o que os outros achem do que você vai/quer fazer. Se você quer, faça. Lute pelo que você quer e mostre pra todo mundo que você é capaz e vai arrasar. 
 Você quer fazer Biblioteconomia (é assim mesmo?) mas todo mundo ri da sua cara quando você diz isso? Mande todo mundo pro raio que o parta e vai fazer. Não pense só no dinheiro. O que você quer? Você vai amar trabalhar naquilo que seus pais querem que você faça? Pense em quantos profissionais ruins nós temos (médicos, advogados, professores, etc) porque não amam o que fazem? Ou no caso das profissões mais "bem sucedidas" por dinheiro. Faça o que você quer e fim.

 Eita que eu mudo de assunto muito rápido. Sou mulher né gente, pelo amor.

 Se você quer saber o que eu senti desde o primeiro dia de aula até o quinto mês, eu fiz três posts, clica aqui, aqui e aqui

 Vou falar agora das matérias que eu tive no primeiro semestre e os materiais que eu tive que usar em cada uma. As que eu não colocar materiais necessários é porque não precisa de nada muito específico.

    Disciplinas

  • Desenho de observação: Tinha duas aulas de Desenho de observação por semana. Fui ter a infelicidade de as duas serem na sexta nos dois últimos horários (o professor sempre liberava mais cedo). Essa matéria é para nos introduzir, digamos assim, no mundo dos desenhos. A gente tinha que olhar um objeto/imagem e desenhar, sem usar régua. Era chato por causa disso, aquelas coisas erradas e sem a régua fica meio difícil de ter uma direção. Eu percebi que nunca dei meu melhor nos desenhos e me sentia inferior por isso, mas minhas notas foram excelentes na matéria por um motivo: era fácil. Pra quem tem facilidade com desenhos vai tirar de letra, mas quem não sabe desenhar muito bem vai sofrer um pouco (like me).                                                                                   
  • Materiais necessários: Lápis HB, 2B e 6B (sempre tem variações nos materiais, mas esses foi os que eu usei. Por exemplo, você pode trocar eles pelas lapiseiras 0.3, 0.5/0.7 e 0.9, mas >eu< acho melhor usar o lápis); Esfuminho (é um treco tinha uma borracha que serve pra dã, esfumar. Ele é o substitutivo do nosso amigo dedinho que não precisa mais sofrer com pretitude quando esfumamos); papéis de diversos tipos, cores e sabores. Sério, cês vão ter que comprar papel que cês nem sabiam que existiam.

  • Estudo da percepção: Essa é uma matéria muy lôca. Nela a gente estuda coisas meio filosóficas dentro do DINT. Você aprende a perceber as coisas, nos mínimos detalhes (mínimos mesmo). Guardem esse nome: Gestalt. Vocês vão ouvir muito dele. Vocês vão enlouquecer mas, lá no final do semestre vão tomar gosto da matéria. Pelo menos comigo foi assim. Tem gente que gosta no começo, enfim. É uma matéria legal mas embola um pouco o cérebro.                                            
  • Materiais necessários: Seu cérebro.

  • História da arte: Converse com qualquer pessoa que fez DINT :: ele já dormiu na sala HAHAHAH gente, eu amo história da arte, mas a minha professora tinha a voz muito suave, e eram duas aulas diretas (cerca de 3h), daí não dava outra. Já cochilei SIM sou humana não consigo ser perfeita.            Tirando isso conhecer melhor sobre a história da arte é muito interessante, quando não tem que ser cada mês de cada coisa. Se você tem facilidade em se concentrar nas condições de: sala escura, ar condicionado e etc você vai se dar bem em História da arte.
  • Introdução ao design: Essa matéria é mais para (dã-ã) introduzir a gente no mundo do design de interiores. Nos mostrou que um designer vai muito além de apenas projetar interiores, que um designer pode projetar interior até de carros (sabiam? Essa era nova pra mim), a professora levou vários designers de diversas áreas para nos mostrar melhor o mundo dentro do design. Foi ótimo e foi o que me manteve certa no que eu quero, porque as matérias do primeiro período não são muito diretas com relação ao design de interiores. Eu gostei bastante dessa matéria, fiquei realmente encantada pelo mundo do design.
  • Meios de representação: Taí a dita cuja. A matéria que quase me fez reprovar. Eta matériazinha complicada. É a parte técnica do design de interiores. Se em desenho de observação a gente não pode desenhar com régua aqui é só com régua. E são as réguas próprias, com as lapiseiras próprias, tem que fazer tudo certo, tudo na milimetragem correta e etc. É a parte técnica sabe? Agora se me passar algo pra fazer eu faço de boa, mas na hora das provas eu atrasava porque ainda tava aprendendo, e aí acabei ficando pendurada. Mas eu gostei da matéria porque tivemos mais contato com o mundo "estressante" do design (claro que vão ter outras partes estressantes, mas cês entenderam). Tivemos que tirar medidas da casa modelo que tem lá na faculdade e ela não tinha as medidas todas certas, então nós tivemos uma dimensão do que uma casa real pode nos proporcionar com relação ao estresse. Se a casa modelo tinha medidas erradas, imagina uma casa normal, que é cheia de relevos, inclinada e os carai a quatro? Vou pirar. E gente, trena (aquele troço que é tipo uma fita métrica, mas mais "durinha", que se você solta de uma vez ranca seu dedo) tem que ser a de laser pelamordedeus. Trena normal a gente pode errar nos cálculos e aí 1cm errado fode com tu-do. A bichinha é cara mas ó, vale a pena. Já tá na minha wishlist. (pra quem não sabe a trena a laser é uma trena que mede o lugar automaticamente e com precisão, não tem erro que eu saiba)              Enfim, é a parte técnica, as normas, leis, sas coisas complicadas que você acaba aprendendo na marra. Se você é daqueles como eu que achava que ABNT era só pra fazer trabalho certinho, migo, ISSO VAI MUITO ALÉM. Bora sofrer com essas normas.                                           
  •  Materiais necessários: Régua "T" (para realização de trabalhos em casa); lapiseiras 0.3, 0.5 ou 0.7 e 0.9; esquadro de 45º e mais algum outro que eu não lembro (tô de férias por favore não me encham); folhas diversas em tamanhos diversos; escalímetro; fita crepe e acho que só.

  • Plástica: Essa matéria é mais relax. E não não é sobre plástico. Plástica quer dizer os diferentes tipos te materiais, texturas, formas e etc das coisas. Por exemplo, começamos analisando texturas de um ambiente e tendo que desenhar, depois introduzimos nas cores (isso vai ser uma matéria própria mais na frente, por isso só introduzimos) estudando as primárias, secundárias, cores análogas, complementares e blablabla dentre outras coisinhas que não lembro muy bien. É uma matéria legal mas meio zZzZ. Achei meio quarta série, não sei se por causa do professor ou da matéria mesmo (acho que por causa do professor).                                                                                
  •  Materiais necessários: Aquele monte de folha que já falei antes; caneta nanquim; os mesmos lápis que cê vai usar em desenho de observação e acho que só. Vez ou outra ele vai pedir algo com lápis de cor, tinta, mas isso depende do professor.

  • Princípios da ergonomia: Essa é legal mas deixa meio louco também. A gente é introduzido na ergonomia, que é o conforto que as pessoas devam ter no trabalho, em casa e etc. Por exemplo: sabe aquela carteira da escola que tua bunda nem cabe direito e cê mal consegue colocar o caderno e o estojo em cima da mesa? Isso é falta de ergonomia. É legal porque a gente começa a observar como os lugares não são ergonômicos, infelizmente. Estudamos desde a pré-história onde o homem começa a perceber que ele pode usar os itens da natureza para facilitar sua caçada, por exemplo. Isso já é ergonomia. Tá dando pra entender? É muito legal gente. Fizemos até um trabalho que tivemos que escolher um lugar pesquisar as normas que esse lugar tem que estar e, depois, numa segunda parte do trabalho, tivemos que ir no lugar comparar e ver se ele estava realmente dentro das normas. E adivinha? Raramente as coisas estão nas normas.                                                    Também aprendemos um pouco sobre o desenho universal, que é visando a igualdade e independência de todos em qualquer ambiente. Seja com deficiências ou problemas de locomoção temporárias (como grávidas e pessoas com a perna quebrada) ou permanentes (pessoas que usam cadeira de rodas, deficientes visuais, etc).                                                                                           Sabe a ABNT? Vai usar aqui também zZzzZz.
 Ufa, acabou. Falei demais né non? Se vocês estão interessados de fato comecem a juntar money porque os materiais são caros e são muito caros. 
 A partir do semestre que vem continuo falando sobre meu segundo período e etc e tal, quais matérias vou ter e tudo o mais.
 Será que vocês leram tudo? Acho que não ahhahaha se leu e gostou comenta aqui me falando belê? 

 Beijos e cheiros <3

2 comentários:

  1. Ain, no meu primeiro período de Arquitetura eu tive Plástica também, mas além de mexer com isso de cor nós fazíamos "esculturinhas" com o tema/material proposto. Até que eu gostava, sabe?

    História da Arte eu também tive e, ó, amei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiz uma no final do semestre, mas de um móvel, fiz de uma cadeira. Eu gostei dessa cadeira, mas é meio zZzzZ hhahahaah

      Excluir