quinta-feira, 13 de março de 2014

Porque eu sou a favor do aborto

 Ok.
 Eu não queria nunca postar sobre coisas do tipo aqui no blog, mas chega um momento em que seu coração pede, sabe?
 E é com ele acelerado e apertadinho por saber que, com essa declaração, muita gente pode parar de acessar o blog, mesmo que isso não seja algo tão relevante assim.
 Antes de mais nada, queria falar para que não me apedrejem e que, quando forem deixar seus comentários, por favor, não sejam agressivos. Eu não vou tolerar agressividade no Cafeína Aguda, aqui não é lugar de baixaria.
 Aqui é onde meu coração está, então quero bem capinado, bem cuidado e só de boas relações.
Críticas são sempre bem vindas (alô correção ortográfica, não consigo me acostumar com benvindas), mas críticas construtivas. Obrigada.

 Desde sempre eu me via contra o aborto, mas contra mesmo, daqueles que não aceitam outras opiniões.
Mas meu argumento era sempre "Vai matar uma vida" ou "É pecado".
 Segundo Ferring Pharmaceuticalso embrião só vira feto a partir da quarta semana, antes disso existem apenas células.
 Então, se a partir do ponto religioso, fecundou já é vida, qualquer forma de bloquear a gestação é aborto.
 Se você é contra o aborto e toma pílula do dia seguinte, tem alguma coisa errada aí...
 Enfim, continuando o raciocínio.
 No ano passado, mais pra metade, quando eu já tinha aberto a cabeça para várias coisas, houve uma palestra na minha sala sobre aborto.
 A palestrante claramente era contra e tentou convencer todo mundo a ser.
 Uma amiga minha era a favor e, outra, contra, por fins religiosos.
 Nem preciso falar que a discussão rolou solta né?
 Naquela palestra, com a minha amiga a favor, comecei a perceber que talvez eu estava sendo egoísta sendo contra, condenando quem aborta ou quem quer abortar, porque existem n motivos para que mulheres queiram abortar.
 Seja por estupro (imagina que legal você não querer continuar uma gestação porque não quer ver como seu filho se parece com o filho da mãe que te estuprou e ter que fazer isso porque a justiça/igreja não permitiu) que, mesmo que seja "legal", você precisa entrar na justiça e corre o risco de ser vetada, por falta de condições, ou por simples fato de que, se você levar essa gestação pra frente, você vai jogar a criança no lixo.
 Ou você acha melhor esperar a pobre coitada da criança nascer pra ser judiada de tal forma? Pra crescer (se algum anjo achá-la) cheio de traumas, tentando entender o que fez pra sua mãe jogá-la no lixo de forma tão cruel?
 Antes de eu prosseguir, vou esclarecer que eu não concordo com o aborto como método contraceptivo. Pra isso existe camisinha, anticoncepcional, DIU, vasectomia, ligação das trompas, injeção, chip, etc. (Ah, você sabia que do olhar religioso métodos contraceptivos são forma de abortar também? Masturbação então... mas isso é tema pra outro post)
 Ouço coisas do tipo "Se o aborto for legalizado, as mulheres vão abortar a rodo". Eu já acho o contrário. Nós temos a cultura do "É proíbido? Vou fazer". Fora que seria pago (e seria caro) ou teria fila de espera, no caso do sistema público de saúde.
 Gente, aborto já existe a rodo. Mas de forma clandestina. Sem higiene, sem acompanhamento médico decente, sem psicólogos, etc.
 Sim, psicólogos. Ou você acha que um aborto não vai afetar a mente da mulher? Por mais que ela esteja certa do que quer, isso mexe com o psicológico.
 Afinal, ela vai ser cortada, algo vai ser tirado dela, vai ser costurada, vai passar por um período de recuperação, vai ser julgada, desentendida e, claro, pode vir a se arrepender algum dia, todos nós estamos sujeitos à isso.
 Eu, Mariana Ferrari Corrêa, não acho que abortaria. Talvez em condições como estupro, talvez, mas de outra forma não. Não sei se sou capaz, não sei se estou preparada pra isso psicologicamente, fora que meu sonho sempre foi ser mãe, então eu acho que não conseguiria expulsar algo de dentro de mim.
 Por isso eu digo que, a mulher que toma a decisão de abortar, é muito corajosa. Não é um processo fácil.
 É doloroso. E traumático.
 Então não julgue se alguma mulher falar com você que precisa/quer abortar. Dê apoio emocional, indique um psicólogo, ou, então, seja seu psicólogo.
Pergunte se ela está realmente decidida a fazer isso ou se é apenas desespero de momento, se alguém a está pressionando pra fazer isso, se ela já pensou no bebê nascido, etc.
 Mas não tente influenciar ela, desde que você veja que ela está confusa. Não deixe ela tomar uma decisão sem estar com cem por cento de certeza.
 Fora que, CLARO, antes de o aborto ser legalizado, uma série de coisas devem ser impostas.
Por exemplo: O estudo sexual. Estamos num mundo onde a pornografia é de extremo fácil acesso, mas, ainda somos olhados tortos se quisermos conversar sobre sexo abertamente, sem rodeios ou rótulos.
 As crianças (calma gente, não criança de 5 anos, criança a partir dos 10) não são inocentes mais, e tão pouco o mundo era como antes. Elas precisam estar atentas ao que está ao redor, ao que elas estão sujeitas e expostas.
 Com isso elas serão adultos responsáveis sexualmente, saberão que devem utilizar de métodos contraceptivos para sua saúde, sexual e mental. Conseguem entender meu ponto de vista?

 Bom, não sei se consegui expor meu pensamento, não sei se consegui expressar o meu sentimento - acredite, ele ainda está um pouco confuso aqui dentro -, mas espero que vocês tenham entendido o recado.
 Um beijo enorme da tia Mari, que tenta abrir sua cabeça a cada dia que passa.

4 comentários:

  1. Ei Mari... eu gosto de polêmicas assim, você está bem certa em apenas expor suas opiniões sem agressões ou imposições. Gostei muito do texto, mas tenho uma observação: acho que você deve tomar cuidado em generalizar algumas coisas. Por exemplo, você disse que no ponto de vista religioso, os métodos contraceptivos são considerados abortos. E eu afirmo, por experiências vividas dentro de igrejas que isso não é verdade e muito menos existe isso na Bíblia. Depende da doutrina de cada religião, existem umas que aceitam e outras não.
    De qualquer forma, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi RD, eu generalizei sim, porque se eu fosse colocar o que cada religião fala eu ia ficar até amanhã né? Rs
      Obrigada pela crítica, vou tomar mais cuidado da próxima vez! E obrigada pelo comentário fofo!

      Excluir
  2. Aborto é um assunto muito delicado...

    Nem sei o que dizer...

    ResponderExcluir