sábado, 19 de outubro de 2013

Autoaceitação


 Hoje eu fui no SESC com a escola e sabe aquela depressão pré-verão quando você fica neurótica com o corpo?  E daí você vê aquela dieta louca que promete 10 kg em 10 dias e, lendo os comentários, percebe que dá certo?
 Aí você pensa “mas isso pode me fazer mal.”. Não pode. Vai. Eu, comilona que sou, não fiz. Mas ó, pensei viu. E pra eu tentar foi um pulo.
 Conversando com o pessoal da sala (vulgo família 3M3, amo vocês) perguntei se eles iam implicar com meus quilinhos extras e, cara, como eu amo eles. Se fosse qualquer outra pessoa eles zoariam, mas comigo não foi assim. Eles me apoiaram. Falaram que nós somos uma família e não tem vergonha na família. Me animei. “Bom, pelo menos eles não vão falar do meu corpo.”
 E não falaram.
 A gente chegou no SESC, as meninas começaram a tirar a roupa, aqueles corpinhos lindos e esbeltos exibidos para as fotos, e a vergonha foi aumentando, até que eles me mandaram tirar a roupa pra cair na água com eles. Pensei (mamãe, perdoe pelo palavrão, sei que a senhora não gosta): “Ah, foda-se. Eu quero me divertir e não vou deixar minha barriga me atrapalhar.”
 E fiz isso. E foi a melhor atitude que poderia ter tomado. Foi maravilhoso, super divertido, eu morri de rir com eles e das brincadeiras deles.
 E fui reparando que, de cada um a cada um, ninguém é perfeito. Talvez por eu estar alguns quilos acima do peso, o foco em mim é maior. Mas enquanto eu tinha mais quilos, outras tinham mais celulites e outras mais estrias.
Enquanto eu sou complexa com a barriga e o peito pequeno, outras reclamam de peito demais ou barriga de menos.
 Não que isso me fez parar de pensar que preciso emagrecer, não, isso não aconteceu, mas isso me fez pensar que todo mundo tem defeitos, por mais que eu ache os meus maiores, ninguém é perfeito, e isso me fez me aceitar um pouco, sabe?
 E hoje, quando cheguei do SESC toda vermelha e ardida, cheguei feliz, porque eu pensei que meu dia seria frustrante, que me olhariam torto pelas gordurinhas extras e ninguém se importou, ninguém ligou. Eles não me viram diferente, e é isso que importa.
 Depois de um bom tempo, me senti bonita de novo. Vermelha e cansada, mas bonita. Quanto aos quilos extras e o braço que tanto abomino, bom, um dia eu paro de preguiça e começo a me exercitar. Enquanto isso vou cuidar em mostrar mais sorrisos e fazer mais elogios para a imagem refletida no espelho de uma garota complexada que luta por sua autoaceitação dia após dia.

4 comentários:

  1. Adorei o tema do post! E é desse jeitinho mesmo, cada um tem seus próprios "defeitos" e isso não pode nos fazer infelizes e nem permitir que deixemos de aproveitar a vida. É claro que há coisas podem melhorar e a gente não pode se acomodar (também preciso perder uns quilinhos), mas enquanto isso vamos curtindo a vida adoidado!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Mariana, adorei o tema do post!
    Acho que o importante é a gente estar feliz e se aceitar como é.
    Se nem a gente se aceita, como os olhos vão né?

    Seguindo o blog já!
    Beijos.
    http://viciosemtres.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fê! Pois é, a gente tem que se aceitar!! Beijão!

      Excluir