quinta-feira, 5 de abril de 2012

Não demorou muito e Pâmela e Léo já estavam no seu destino: uma pequena casa perto da praia, muito charmosa. Seu muro era todo em mosaico com azulejos coloridos, o portão da casa não a permitia ver o que a aguardava do outro lado do muro, então ela ficou ali, observando o muro enquanto Léo abria o portão para eles entrarem na casa. Havia um jardim cheio daqueles enfeites de gesso, tinha uma pequena, mas funda, piscina. Perto da piscina tinha duas cadeiras de palha todas trabalhadas, com almofadas verde, azul e roxo em cima. Na frente da casa tinha uma varandinha com uma rede e mais almofadas coloridas. Entrando na casa automaticamente entrava na cozinha, toda branca, com detalhes azuis de flores nos móveis. Ao lado da cozinha tinha uma sala simples, com um sofá preto e uma TV 40" pregada na parede vermelha, contrastando com as outras brancas e no chão um tapete bege felpudo com as já conhecidas almofadas coloridas. Em frente a sala tem um quarto, talvez o maior cômodo da casa. As paredes do quarto eram pretas, mas cheias de pingos de tintas coloridas. A cama era box, com uma colcha branca e os travesseiros na cor laranja. Também tinha um guarda-roupas de madeira com os detalhes de flor, só que dessa vez branco, pois o móvel era marrom. Em frente a uma poltrona reclinável, tinha outro tapete felpudo bege, do mesmo estilo do que tinha no sofá, porém esse era menor. Um interruptor bastante estranho na parede chamou a atenção de Pâmela, que perguntou ao Léo:
- Amor, que que é aquele interruptor estranho ali?
- A, é surpresa. Vai tomar banho, que eu vou pôr nossas coisas no quarto.
- Mas, aonde é o banheiro?

Léo riu, e a levou até a sala, na parede tinha um botão dourado que ela não havia reparado, ele apertou e abriu uma porta que dava pra um banheiro todo de azulejo branco com detalhes verdes, onde tinha uma pia de granito com um espelho grande, um vaso e uma confortável banheira com hidromassagem brancos, e um boxe com um chuveiro que parecia daqueles que eram de duchas, com o impacto da água bem forte. Tinha uma prateleira com um roupão e uma toalha de banho pretos. Pâmela ficou boquiaberta, tamanha inteligência de quem projetou aquela casa. Léo deixou ela ali, pasma com a arquitetura do banheiro, e foi guardar as coisas deles. Pâmela despertou de seu encanto. Ficou em dúvida: tomava uma ducha ou entrava na banheira pra relaxar? Acabou decidindo tomar uma ducha. Dentro do boxe tinha o shampoo, condicionador, sabonete e sabonete líquido íntimo que Pâmela usava em casa, instantaneamente pensou que aquilo era coisa da mãe dela. Sorriu e tomou seu banho.

Enquanto isso, Léo também já tinha tomado um banho. Não havia falado pra sua PamPam, mas no quarto também tinha um banheiro daqueles. Falaria depois. Não agora. Sabia que ela iria demorar, então tomou seu banho tranquilo, arrumou o que precisava arrumar, e deitou na cama. Quando Pâmela acabou seu banho e entrou sorrindo no quarto, ele pediu para que ela fechasse os olhos e, quando ela fechou, ele apertou o "interruptor estranho" que Pâmela havia perguntado pra ele o que era, e grande parte do teto coberto se abriu, mostrando o lindo céu estrelado e a lua cheia, a um vidro de distância. Ele pediu para que ela abrisse os olhos, e quando ela abriu, arfou de surpresa.
- Nossa!!! - Pâmela disse, os olhos brilhando de admiração.
- Lindo, não é?!
- Perfeito!
- Tudo pra você meu amor, você não queria uma primeira vez inesquecível?
- Com certeza será!

Ela tirou o roupão mostrando a lingerie pra ele, que já estava ereto, tamanhã excitação o momento proporcionara. Eles trocaram carícias, beijos, até o momento crucial da noite. Pâmela estava relaxada, pronta, como havia dito pra ele meses atrás. Foi a primeira vez dos sonhos de qualquer menina. A dor momentânea passou despercebida por Pâmela, e os dois encaixavam perfeitamente. Após terminarem, tomarem banho, comerem uma pizza de calabresa, deitaram na cama e ficaram abraçados e rindo, olhando o céu exposto até dormirem feito anjos. Essa foi a melhor noite da vida dos dois, quanto a isso Pâmela e Léo não tinham dúvidas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário